13 de Agosto de 2022

Microfone Aberto: médico infectologista tira as principais dúvidas sobre nova fase da covid-19

Para esclarecer a população sobre o atual status da covid-19, principalmente após os festejos juninos, quando se espera um aumento de casos na Bahia, o médico infectologista e professor da Faculdade Bahiana de Medicina, dr. Robson Reis, foi entrevistado pelos apresentadores Igor Guimarães e Daniel Alencar, do programa ‘Microfone Aberto’, da Rádio Massa FM 100.7.

Segundo o infectologista, realmente é esperado um acréscimo considerável nos números de pessoas infectadas, mas o impacto tende a ser diferente das fases iniciais, já que agora existem as vacinas em grande escala. “A gente já espera o aumento desse número de casos após os festejos juninos, até porque já vinha aumentando antes. Se você já tinha um aumento significativo antes desse período, os festejos acabam favorecendo por conta de as pessoas estarem mais próximas uma das outras, muitas vezes compartilharam objetos, tudo isso, acaba favorecendo essas infecções, principalmente a questão da aglomeração.  Então, em resumo, vamos ter sim um aumento significativo do quantitativo de pessoas diagnosticadas com covid, porém sem um impacto maior no serviço de saúde e isso graças à vacina”, avalia o médico.

Ainda segundo o professor Robson, vale reforçar que já foi comprovado através de diversas publicações cientificas que as vacinas protegem e salvam vidas em diversas doenças. Em relação à covid-19 é mais ainda. “Isso já foi comprovado mais ainda. Quando você acompanhava tinha aquele bum da onda e muitas vezes vinha o bum de hospitalizações sufocando o serviço de saúde e o número de óbitos”.

Questionado sobre a eficácia dos testes de farmácias e se eles são confiáveis, o médico lembra que essa dúvida é corriqueira entre os pacientes que estão com sintomas de covid e que querem realizar o exame. “A vantagem do autoteste é que você mesmo pode fazer o teste. Ele tem o resultado disponível entre 15 e 30 minutos. Porém é importante chamar atenção. Se o paciente fez o autoteste e ele tem os sinais e sintomas extremamente sugestivos de covid... O que é isso? É o paciente que tem coriza nasal, ele está fraco, ele está tossindo, ele teve contato com alguém de covid e o autoteste deu não reagente, a recomendação é que ele repita esse teste após 24h e 48h ou realize outro teste que é aquele teste chamado RT-PCR, mas sim é um teste confiável e utilizado no mundo inteiro” disse.

Na visão do dr. Robson Reis, hoje a covid tem os quadros muito mais leves, porém é importante chamar a atenção sobre a importante de que as pessoas, além de tomarem as duas doses, tenham tomado a dose de reforço e, dependendo da idade, até mesmo a segunda dose de reforço. “Ela pelo nome já diz que dá um reforço no sistema imunológico e é importante, principalmente, contra essas novas variantes que conseguem, de certa forma, driblar o sistema imunológico. Quando a pessoa tinha covid no começo da pandemia nós não tínhamos medicamentos para tratar a doença. Hoje nós já temos, principalmente pra os casos moderados a grave. Para se ter uma ideia nós temos até medicamentos para os casos leves, porém não chegou ainda no Brasil, mas a Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária] já liberou. São dois medicamentos chamados Paxlovid e o outro molnupiravir. Já temos esses medicamentos, mas eles não chegaram no Brasil. Agora para os casos moderados a graves, aqueles que internam, hoje nós temos diversos medicamentos”, explicou o dr.

O infectologista aproveitou a audiência do ‘Microfone Aberto’ para esclarecer uma outra dúvida recorrente que é o tempo mínimo da pessoa ter a reinfecção. Ele explicou que o teste rápido de antígeno é extremamente importante, porque se ele apresentar reagente a pessoa tem covid e ainda está transmitindo. “Isso é importante chamar atenção. Ele tem covid na fase aguda. O outro teste que a gente faz, o RT-PCR, que também é o teste do nariz, mas geralmente quando ocorre no laboratório ele entrega no final do dia ou no dia seguinte. Esse é o teste mais complexo, é um teste mais caro. Esse teste é indicado pra gente diagnosticar com covid na fase aguda ou também se o teste rápido, o autoteste, der não reagente e você apresentar sinais e sintomas da doença. Em relação a reinfecção nós sabemos que raramente vai acontecer reinfecção no inferior a três meses, porém no contexto da ômicron e, principalmente, nas suas subvariantes que são aquelas ‘sopinhas de letras’, isso ainda está muito indefinido. A gente acredita que as subvariantes podem, de certa forma, driblar o sistema imunológico por outras infecções”.

Sobre o isolamento quando a pessoal está infectada, o médico lembrou que no começo da pandemia eram 14 dias, mas hoje o entendimento mudou. “A gente tinha que orientar o paciente a realizado dois testes RT-PCR para sair do isolamento. Meado de 2020 isso modificou o CDC, que é o Centro de Controle de Doenças Americanas, que acaba guiando as tendências do mundo em relação a essas orientações de saúde, ela acaba reduzindo pra dez dias sem a necessidade de realizar novos exames para sair do isolamento. No início de 2022, por conta da ômicron, os países sofreram muito. O absenteísmo de funcionários, de servidores... Então o impacto econômico social das doenças foi grande aí o CDC, posteriormente, a própria Organização Mundial de Saúde, agências europeias e aqui do Brasil acabaram reduzindo pra sete dias. E nos Estados Unidos em situação ruim, situações muito específicas, definiam como até mesmo cinco dias”.

O médico também explicou sobre as principais diferenças entre outras doenças que são confundidas com a covid-19. “Rinite alérgica, como o próprio nome já diz, ela é alérgica, ela não tem um agente infeccioso ali causando, mas o paciente vai ter coriza, congestão nasal, pode até ter um incômodo na garganta e o olho ficar vermelho, mas não tem processo infeccioso. Esse paciente ele não vai ter febre, esse paciente não vai ter fraqueza, nada disso. O paciente que tem o resfriado comum vai ter coriza, congestão nasal, dor de garganta, tosse e raramente ele tem febre. Quando tem a febre é baixa. São outros vírus rinovírus, adenovírus. Já a gripe esse é muito mais sintomático. O paciente com gripe ele vai ter coriza, congestão nasal, dor de cabeça, dor no corpo, a dor de no corpo é muito intensa, fraqueza, inclusive impedindo ele de realizar as atividades habituais e, principalmente, tosse e febre. E essa febre geralmente é febre alta”, afirmou.


Foto: Reprodução/TV Bahia

Whatsapp

Galeria

Bahia Farm Show apresenta exposição fotográfica sobre as belezas do Oeste da Bahia
Exposição aproximará startups agrícolas de investidores privados
Ver todas as galerias

Artigos