10 de Agosto de 2022

Saiba quem foi o único senador que votou contra a PEC dos Combustíveis

O Senado Federal aprovou nesta quinta-feira, 30, o texto-base da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Combustíveis, que institui, entre outras coisas, a criação de programas sociais para minimizar os impactos do aumento do preços dos combustíveis para categorias como caminhoneiros e taxistas, além de aumentar os valores transferidos para beneficiários de programas como Auxílio Brasil e Auxílio Gás. A matéria, de relatoria do senador Fernando Bezerra (MDB-PE), ex-líder do governo na Casa, foi aprovada com ampla maioria. Ao todo, 72 senadores foram favoráveis ao texto, que prevê impacto de R$ 41,25 bilhões. Entre os parlamentares, houve apenas um voto contrário, do senador José Serra (PSDB), que questionou a discussão a apreciação do tema apenas agora pelos senadores. “Há apenas poucas semanas o Senado descobri que famílias passam fome e que esperam na fila de benefícios”, questionou o senador nas redes sociais, adiantando voto contrário ao texto. 

Em uma sequência de mensagens, publicadas no Twitter na quarta-feira, 29, data inicialmente prevista para votação da PEC, José Serra afirmou que a matéria chega às vésperas das eleições, propondo a liberação de gastos bilionários e ultrapassando regras fiscais, o que estaria, segundo ele, enfraquecendo o processo orçamentário na busca de soluções imediatistas e pouco debatidas. “Nenhum problema é maior do que a situação de insegurança alimentar de milhões de famílias. A crise, contudo, não é de hoje e devemos, sim, buscar recursos para aliviar a pobreza de tantas famílias. Mas há outros meios para isso”, reforçou o senador.

Entre os principais impactos da proposta apresentada, batizada pelos governistas de PEC das Bondades, está R$ 2 bilhões para auxílio aos taxistas; custo de R$ 26 bilhões para aumento de R$ 400 para R$ 600 mensais do Auxílio Brasil e cadastro de 1,6 milhão de novas famílias; Pix Caminhoneiro de R$ 1 mil com total de R$ 5,4 milhões aos cofres públicos; ampliação do Auxílio-Gás mensal com R$ 1,05 bilhão estimado; R$ 2,5 bilhões para transporte gratuito de idosos; R$ 500 milhões para o Alimenta Brasil e até R$ 3,8 bilhões, por meio de créditos tributários, para a manutenção da competitividade do etanol sobre a gasolina, somando R$ 41,25 bilhões.


Informações da Jovem Pan / Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

Whatsapp

Ultimas notícias

Galeria

Bahia Farm Show apresenta exposição fotográfica sobre as belezas do Oeste da Bahia
Exposição aproximará startups agrícolas de investidores privados
Ver todas as galerias

Artigos