22 de Maio de 2022

Clubes das séries A e B divulgam nota questionando divisão de receitas da Libra

 Vários clubes que disputam as séries A e B do Campeonato Brasileiro divulgaram uma nota questionando a proposta de divisão de receitas assinada por oito times para a criação da Liga do Futebol Brasileiro (Libra).

Em reunião realizada na última sexta-feira (6), as equipes formularam e publicaram uma nota de repúdio aos termos apresentados pela Libra. O assunto central são os percentuais de divisão de receitas. A proposta inicial foi criada por Flamengo e clubes paulistas. Até o momento, Corinthians, Red Bull Bragantino, Flamengo, Palmeiras, Santos, São Paulo, Ponte Preta e Cruzeiro assinaram a criação da Libra com os seguintes termos: 40% repartidos de forma igualitária, 30% variável por performance e 30% variável por engajamento e audiência.

Na reunião, o novo bloco de clubes que disputam as séries A e B do Brasileirão apresentaram uma nova proposta de divisão: 50% repartidos de forma igualitária, 25% por performance e 25% por engajamento. Confira os clubes que assinaram e divulgaram a carta: Athletico, Atlético-GO, Avaí, Brusque, Ceará, CSA, Cuiabá, Fluminense, Fortaleza, Goiás, Náutico, Operário-PR, Sampaio Corrêa, Sport e Vila Nova. Nota na íntegra: A maioria dos clubes de futebol integrantes das séries A e B do Campeonato Brasileiro segue em seu esforço pela criação da Liga de Clubes e, com esse objetivo, se reuniu na tarde desta sexta-feira para discutir os critérios que nortearão, em bases sustentáveis e justas, o equilíbrio de forças no futuro.

Entre os assuntos debatidos, o mais relevante foi a divisão de receitas de forma que contribua de fato para o aprimoramento da competição, tornando menos desiguais as condições de competitividade atuais. Os termos aceitos em São Paulo por outros 6 clubes perpetuam o abismo que existe hoje, ao manterem a parte igualitária das receitas em 40%, enquanto nos campeonatos mais bem sucedidos este percentual pode chegar a 68% somando todos os direitos domésticos, internacionais e de marketing, caso da Premier League, por exemplo. Não é aceitável que haja clubes ganhando 6 vezes mais do que outros, enquanto nas melhores Ligas do mundo essa diferença não ultrapassa 3,5 vezes. Outro ponto a ser aprimorado é a adoção de premissas que não privilegiem pilares de difícil aferição, em especial ao que tange a engajamento.

Tais critérios, na visão da maioria dos clubes que participaram da reunião, apenas perpetuam a posição de superioridade de alguns sobre outros, não dando a oportunidade de maior equilíbrio dos campeonatos. A criação da Liga entre os 40 clubes será a oportunidade de se mudar efetivamente o futebol brasileiro e esse objetivo não pode se subordinar a interesses individuais de alguns, petrificados há décadas na superioridade de recursos.

Sabemos que não seria justo buscar igualdade total de receitas, mas sim equanimidade e melhor distribuição. O futebol brasileiro não avançará sem que haja um consenso entre os 40 clubes das séries A e B de que a justa distribuição de receitas gerará maiores oportunidades na disputa.

 

 

 

Bnews

Whatsapp

Ultimas notícias

Galeria

Bahia Farm Show apresenta exposição fotográfica sobre as belezas do Oeste da Bahia
Exposição aproximará startups agrícolas de investidores privados
Ver todas as galerias

Artigos