22 de Maio de 2022

Defesa de denunciadas por lavagem de dinheiro de facção pede que prisão seja convertida em domiciliar

A defesa de Taise Conceição Oliveira e Magna Santos de Santana, suspeitas de envolvimento em um esquema de lavagem de dinheiro de uma facção criminosa, solicitou à Justiça que a prisão da dupla, que é considerada foragida, seja convertida em domiciliar. No último dia 5, a Justiça decretou a prisão preventiva das duas a pedido do Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas e Investigações Criminais do Ministério Público da Bahia (Gaeco). Na petição, o advogado Reinaldo Santana, que representa Taíse e Magna, justifica que as suspeitas "são mães de crianças com idades inferiores a 12 anos e que o Estatuto da Criança e do Adolescente possibilita que elas permaneçam em prisão domiciliar".

Santana ressaltou ainda que "as clientes têm total interesse em colaborar com a Justiça, mas a prioridade da defesa, no momento, é assegurar que as crianças não sejam encaminhadas a um abrigo". O pedido foi protocolado no último dia 05 e aguarda o parecer do Ministério Público. A investigação do Gaeco apontou Taise e Magna como membros do grupo liderado por Kléber Nóbrega Pereira (conhecido como “Kékeu”). Além deles, Emily Alves Santos, e Priciane Alves Santos também foram denunciadas por ocultação e movimentação de dinheiro oriundo do tráfico de drogas.

De acordo com as investigações do Gaeco, os denunciados teriam se organizado com a finalidade de ocultar e movimentar ilicitamente valores em favor da organização criminosa que atua na capital e alguns municípios do interior do estado. Kléber Pereira seria um dos líderes da facção e teria se utilizado das demais integrantes do esquema para ocultar mais de R$ 1 milhão. “Ele ocultou a origem e a propriedade de valores e elas movimentaram o dinheiro”, afirma o Gaeco. Ainda segundo as investigações, para manter o domínio do tráfico, Kléber teria ordenado a prática de crimes de extorsões mediante sequestro, inclusive com resultado morte, comandando as atividades comerciais relativas a entorpecentes, nomeando gerentes e utilizando laranjas, sobretudo mulheres, na movimentação financeira da organização criminosa, especialmente com contas bancárias de passagem, dentre outros delitos.

 

 

 

Bnews

Whatsapp

Ultimas notícias

Galeria

Bahia Farm Show apresenta exposição fotográfica sobre as belezas do Oeste da Bahia
Exposição aproximará startups agrícolas de investidores privados
Ver todas as galerias

Artigos