11 de Agosto de 2022

Matéria repercute em rede nacional após hipótese levantada pelo radialista André Spínola

Após hipótese levantada pelo Radialista André Spínola sobre o caso das malas e caixas de dinheiro encontradas no edifício José da Silva Azi, na maior apreensão de dinheiro feita na historia do Brasil pela Polícia Federal, teve repercussão nacional. O assunto foi pauta do Jornal Nacional da Rede Globo de hoje (06).

 

Após hipótese levantada pelo Radialista André Spínola sobre o caso das malas e caixas de dinheiro encontradas no edifício José da Silva Azi, na maior apreensão de dinheiro feita na historia do Brasil pela Polícia Federal, teve repercussão nacional. O assunto foi pauta do Jornal Nacional da Rede Globo de hoje (06).

 

Relembre o caso  


O apresentador André Spínola, durante editorial do Baiana no Ar, programa veiculado na Ràdio Baiana FM (89,3) apresentou e questionou possíveis coincidências surgidas com o caso das malas encontradas no apartamento ligado ao ex-ministro Geddel Vieira Lima. Uma delas é a do nome do edifício José da Silva Azi, onde se localiza o imóvel. José da Silva Azi, conhecido como Zequinha, morreu aos 94 anos de idade no dia 09 de novembro de 2014, foi prefeito de Alagoinhas e era Irmão do então deputado federal Jairo Azi, falecido no ano de 2000 e  tio do atual deputado federal Paulo Azi (DEM). O prédio foi construído pela Silveira Empreendimentos que pertencia ao empresário Silvio Silveira, dono também do imóvel.


A segunda coincidências é o fato de Silveira ter sido processado no caso de desvio de dinheiro da Empresa Baiana de Alimentos (Ebal). O ex-dono da Silveira Empreendimentos teria sido processado depois de ser apontado como contratado ilegalmente pelo mercado, na gestão do ex-diretor Omar Britto. A irregularidade teria sido cometida entre 2002 e 2006, causando prejuízo de mais de R$ 620 milhões à empresa e quase levá-la à falência. Na ocasião foram denunciados também representantes da Organização de Auxílio Fraterno (OAF), Comasa Construções, Livraria Cultura, Comtech Informática, SLA Propaganda e Rede Interamericana de Comunicação. 


Contagem continua


Já passou dos R$ 51 milhões o valor parcial do dinheiro apreendido pela Polícia Federal em malas e caixas encontradas no apartamento localizado em Salvador que, segundo a PF, Geddel Vieira Lima usava para esconder propina.  


A PF formou, além de uma equipe de policiais, máquinas para contar o valor das cédulas encontradas em caixas e malas. Ainda não há resultado, mas os policiais acreditam que seja a maior apreensão da história da PF.
A operação deflagrada nesta terça foi batizada de Tesouro Perdido e autorizada pela 10ª Vara Federal de Brasília. A Polícia Federal disse ainda que a descoberta só foi feita após as últimas fases da Operação Cui Bono, onde foram encontradas pistas de que o local seria utilizado para o armazenamento de dinheiro. 


Deputado não opina sobre apreensão


Convidado desta terça (05) do programa Baiana no Ar, o deputado federal Antônio Brito (PSD) preferiu não comentar o caso e disse acreditar na apuração feita pela Polícia Federal, que deve concluir em breve toda a situação. O deputado falou ainda sobre os projetos na câmara e sobre a provável votação da reforma política, que deve ser feita ainda esta semana, apesar das dificuldades.

Whatsapp

Galeria

Bahia Farm Show apresenta exposição fotográfica sobre as belezas do Oeste da Bahia
Exposição aproximará startups agrícolas de investidores privados
Ver todas as galerias

Artigos