17 de Agosto de 2018

Falta de remédio deixa presos 'em surto' na Papuda

A falta de medicamentos psiquiátricos para atender detentos do Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília, colocou o presídio em "risco de motim ou violência extrema". Pelo menos seis medicamentos voltados para o atendimento desses transtornos estão em falta na rede da capital.

O risco de rebelião consta em um despacho assinado pela Gerência de Saúde do Sistema Prisional do Distrito Federal – o setor da Secretaria de Saúde voltado para o monitoramento dos presídios. Segundo o comunicado, há presos "em surto" por causa da falta de remédios.

"Esclareço que desde fevereiro estamos enfrentando desabastecimento de alguns itens e já solicitamos providências [...] e vários pacientes/internos estão em surto, causando instabilidade na massa carcerária, acarretando elevado risco de motim ou violência extrema", diz o texto.

Colchão e outros objetos próximos a uma cela de transição na Papuda, em Brasília (Foto: Gláucio Dettmar/CNJ/Divulgação)

Colchão e outros objetos próximos a uma cela de transição na Papuda, em Brasília (Foto: Gláucio Dettmar/CNJ/Divulgação)

 

A Secretaria de Saúde confirmou que pelo menos seis medicamentos estão com estoques zerados, inclusive, na Ala de Tratamento Psiquiátrico (ATP). Apesar disso, a pasta diz que os profissionais "acompanham constantemente os pacientes, monitorando cada caso".

Além disso, a secretaria diz que está "preparando uma licitação" para normalizar os estoques – mas não dá prazo para que isso aconteça. O governo também abriu processo de compra descentralizada – ou seja, feita pelos gestores mais baixos, e não pela central de compras da pasta. As informações são do G1.

 

Paciente em surto

 

Trecho do despacho assinado pela Gerência de Saúde do Sistema Prisional (Foto: Saúde/Reprodução)

Trecho do despacho assinado pela Gerência de Saúde do Sistema Prisional (Foto: Saúde/Reprodução)

 

A presidente da Associação de Familiares de Internos e Internas do Sistema Penitenciário do DF (Asisp), Alessandra Paes, afirmou ao G1 que as queixas sobre falta de medicamentos são frequentes.

"Desde que houve o surto de doença de pele na Papuda , existe falta de medicamentos no sistema, desde remédios para hipertensão aos de tratamento de pele, e os de uso controlado", diz.

Segundo a representante da associação, em uma das últimas visitas ao presídio – há duas semanas –, um parente de preso relatou que o interno, de 42 anos, teve um episódio de surto dentro da cela. A crise seria motivada pela falta de um dos medicamentos de uso restrito. "Ele disse aos familiares que a situação que foi constrangedora".

 

"O homem saiu agredindo outros presos e precisou ser contido. Nisso, ele se machucou e machucou outros internos. Os agentes penitenciários precisaram contê-lo depois disso."

 

Mensagens enviadas por parentes de presos em grupos no WhatsApp (Foto: Arquivo Pessoal)

Mensagens enviadas por parentes de presos em grupos no WhatsApp (Foto: Arquivo Pessoal)

No grupo criado pelos familiares de detentos nas redes sociais, a mãe de um preso – ela preferiu não se identificar – cita que falta Diazepam na cadeia. O medicamento é usado para tratar casos severos de síndrome de ansiedade e quadros de desordem psiquiátrica.

Whatsapp

Galeria

Imagens de 'close' inédito da Grande Mancha Vermelha de Júpiter
FOTOS HISTÓRICAS QUE VOCÊ PROVAVELMENTE NUNCA VIU
Apresentações e treinos no Vitória
Ver todas as galerias

Artigos